Nova associação de jornalistas nasce no Chile após oficina de ferramentas digitais e técnicas de investigação | Knight Center for Journalism in the Americas

Mais de 200 repórteres e editores de meios tradicionais e digitais, estudantes e professores

de jornalismo se reuniram em Santiago nos dias 5 e 6 de julho para o Primeiro Workshop Internacional de Capacitação em Técnicas de Jornalismo Investigativo, que serviu como atividade inaugural da nova Red de Periodistas Chile.

A atividade foi gratuita e contou com a participação de convidados ilustres, entre eles a argentina Sandra Crucianelli e o diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, Rosental Alves. O interesse no curso foi tanto que o número de inscritos foi quase três vezes maior do que esperavam os organizadores.

“Me enche de orgulho a resposta a esta iniciativa”, disse Pedro Ramírez, membro do comitê executivo da Red de Periodistas Chile, no início da jornada. “[Nosso interesse] é melhorar os padrões do jornalismo chileno […], o debate público e as políticas públicas. Queremos abrir o apetite com estas ferramentas e desenvolver a engenhosidade jornalística no país.”

A Red de Periodistas Chile nasceu em dezembro de 2012, com apoio do Centro Knight, e busca promover o aperfeiçoamento de jornalistas, a otimização do trabalho informativo e o debate sobre a liberdade de expressão. A nova associação se soma à crescente comunidade de organizações jornalísticas na América Latina e no Caribe.

“É uma honra para o Centro Knight poder ajudar na realização deste seminário internacional sobre jornalismo investigativo, que marcou o lançamento da organização de jornalistas chilenos interessados em melhorar o nível de qualidade do jornalismo em seu país”, afirmou Alves.

Uma iniciativa similar de quatro anos atrás não prosperou, o que fez com que o sucesso desde evento inaugural tenha sido particularmente especial para os envolvidos.

“Esta é a realização de um sonho que nós do Centro Knight vínhamos incentivando há anos”, acrescentou Alves. “Em 2008, realizamos um seminário internacional de jornalismo investigativo no Chile, com a esperança de dar ânimo a um grupo de jornalistas para que se organizassem como em outros países. Aquele seminário foi um sucesso, mas a organização de jornalistas não saiu. Não era o momento. Agora sim, muitos dos que participaram no esforço de 2008 estavam aqui para este novo evento”.

Pedro Ramírez, membro do Comitê Executivo da Red de Periodistas Chile, Gonzalo Saavedra, diretor da Escola de Jornalismo da UC, e Claudia Lagos, também integrante do Comitê Executivo da nova organização, dão as boas vindas aos presentes. Foto: Red de Periodistas de Chile.

Até o momento, a Red de Periodistas Chile conta com 190 membros, incluindo jornalistas, editores e acadêmicos, tanto de Santiago como de outras cidades, e conta com um comitê executivo integrado por sete pessoas.

A primeira atividad do workshop no Chile, na sexta, 5 de julho, foi uma videoconferência com representantes de organizações similares de jornalistas de outros países: O Foro de Periodismo Argentino (FOPEA), a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e o Consejo de Redacción (CdR) da Colômbia. Fernando Ruiz, do FOPEA, destacou a importância de se criar uma comunidade de jornalistas preocupados com a qualidade do trabalho informativo; Luciana Kraemer, da Abraji, falou das diferentes instâncias de capacitação e aperfeiçoamento de estudantes de jornalismo e jornalistas realizadas por sua organização; e Edilma Prada, do CdR, destacou a necessidade de incorporar profissionais e acadêmicos de todo o país e não só da capital.

No dia seguinte, Sandra Crucianelli, jornalista argentina e instrutora do Centro Knight, ofereceu um workshop de introdução ao jornalismo de dados. Crucianelli apresentou várias ferramentas para trabalhar com bases de dados e analisou casos como o aplicativo desenvolvido pelo La Nación para dar conta da evolução do patrimônio do gabinete argentino.

Posteriormente – e em salas repletas de pessoas – aconteceram vários cursos paralelos. Miguel Paz, da Poderopedia, apresentou a utilidade de várias ferramentas digitais; Pedro Ramírez e Juan Pablo Figueroa, da CIPER, mostraram exemplos práticos do uso de bases de dados na hora de preparar uma reportagem; Pedro Daire e Marcel Augsburger, de Ciudadano Inteligente, ensinaram o uso de várias ferramentas para a obtenção e o processamento de dados; e Rosental Alves, da Universidade do Texas em Austin, ministrou um workshop sobre jornalismo empreendedor.

Publicado 2013-07-11 17:26

viaNova associação de jornalistas nasce no Chile após oficina de ferramentas digitais e técnicas de investigação | Knight Center for Journalism in the Americas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s